24.10.2018 - Post : ROEDORES DE ESTIMAÇÃO: MOTIVOS PARA SE TER UM

Hamster, chinchila, gerbil e porquinho da índia são alguns dos roedores de estimação mais conhecidos e cada vez mais vistos como pets nos lares brasileiros. Muita gente tem optado por ter esses animaizinhos simpáticos e extremamente fofos no lugar de um cão ou um gato, que apesar de serem ainda os preferidos, necessitam de maiores cuidados e atenção.

Então, se você tem vontade de ter um desses animais que são muito dóceis, espertos e carinhosos, mas não sabe muito sobre eles, continue lendo este post. Quais são os roedores mais comuns e suas principais características? E os cuidados essenciais que devemos dedicar a eles?

 

3 MOTIVOS PARA SE TER UM ROEDOR

1-  PODEM SER CRIADOS EM AMBIENTES MENORES

Para quem não dispõe de muito espaço em casa, os roedores domésticos são uma excelente alternativa. Alguns deles são muito pequenos, como o hamster (que chega a medir no máximo 15 cm) e o gerbil ou esquilo da Mongólia (que mede apenas 10 cm).

Podem ser criados em gaiolas de tamanho médio, que contenham espaços independentes, como o de alimentação, o de dormir, o de fazer as necessidades e o de lazer, com brinquedinhos variados.

 

2-NÃO NECESSITAM DE PASSEIOS DIÁRIOS

Para quem gosta de cachorro e não conta com tempo suficiente para levá-lo para passeios diários (essenciais para a sua saúde), os pets roedores são uma boa opção. Eles ficam em suas gaiolas, divertindo-se com os brinquedos apropriados para eles, como roda, globo de exercício, gangorra etc.

Como a maioria dos roedores possui hábitos noturnos, eles dormem o dia inteiro e só à noite dão o ar da graça, quando você, então, estará em casa para apreciá-los enquanto brincam e se divertem.

 

3-REPRESENTAM UM CUSTO MAIS BAIXO

Diferentemente do cão e do gato, os gastos com esses animais são bem menores, a começar pela alimentação que ocorre em menor quantidade, devido ao tamanho desses pets. As idas ao veterinário são também menos frequentes, o que contribui para uma boa economia.

 

ROEDORES DOMÉSTICOS MAIS COMUNS E SUAS CARACTERÍSTICAS

 Agora que você já sabe dos motivos para ter algum desses fofos companheiros, vamos falar das características de cada espécie.

 HAMSTER

Por ser um animal pequeno, o hamster é um pet fácil de se criar. É dócil, afetuoso e bastante esperto. Sua expectativa de vida é de 2 a 3 anos e mede 15 cm de comprimento. Ele se mantém mais ativo nos períodos da manhã e ao anoitecer. Uma boa dica de criador é que o dono interaja bastante com ele para que não se torne arisco.

Pelo fato de seus dentinhos crescerem continuamente, é necessário que tenha alimentos a seu dispor para roer, como por exemplo os Nutrihome da Nutricon, que são tubos comestíveis que ajudam no desgaste. Vive em gaiola, que deve ser grande e espaçosa e com muitos brinquedos para entretê-lo durante os momentos em que estiver acordado. O ideal é ter mais de um animal, para que um faça companhia ao outro — mas sempre fêmeas —  visto que dois machos podem brigar.

Cuidados: a alimentação do hamster é à base de ração (balanceada), como por exemplo o Nutriroedores da Nutricon e pode ser complementada com frutas e legumes, como a cenoura, que contribui para ele desgastar seus dentinhos. Por isso, devem comer alimentos duros ou pedras de cálcio diariamente.

 

CHINCHILA

Para quem passa o dia ausente de casa, a chinchila é uma alternativa de animal de estimação, já que conta com hábitos noturnos. São travessas, sociáveis e muito espertas. Sua expectativa de vida é de cerca de 15 anos.

Os cuidados com esse roedor são poucos, já que vive bem em sua gaiola. Esta só deve ser bem espaçosa para que ele suba e desça, fazendo muitos exercícios.

A chinchila não gosta de ambientes barulhentos e não possui cheiro desagradável. Para que ele não fique por muito tempo sozinha, aconselha-se a ter, pelo menos, duas, a fim de que uma faça companhia à outra.

Sobre os cuidados, essa espécie se alimenta com ração balanceada como o alimento Chinchila da Nutricon e com algumas frutas, como pera, maçã e uva-passa.

Sua higiene não pode ser com água e sabão e sim com um pó de carbonato de cálcio, que deve ser colocado em sua gaiola para que sozinho faça sua limpeza — acredite, o animal fica limpinho, pois o produto é um desengordurante que refresca e limpa o pet.

 

PORQUINHO DA ÍNDIA

Também conhecido por preá, o porquinho da índia conta com um temperamento amistoso e sociável, sendo fácil de ser criado. O animal pode chegar a 25 cm e pesar cerca de 1,5 kg — por isso necessita de gaiolas muito amplas para viver e se exercitar com bastante espaço e pode, sim, passar algum tempo fora delas. Sua expectativa de vida é de cinco a sete anos.

Por ser sociável, o porquinho da índia necessita de um parceiro para interagir e brincar, mas é fundamental que seja do mesmo sexo, pois procria com bastante facilidade. Além disso, essa espécie precisa de mais atenção que os demais roedores, como uma dieta um pouco mais diferenciada e rica em vitamina C.

O porquinho da índia precisa de um alimento específico que possui muitas vitaminas, como por exemplo o alimento Chinchila ou o Nutrirabbit da Nutricon.

 

GERBIL

Conhecido também como esquilo da mongólia, o gerbil é um roedor amistoso, fácil de amansar, mas muito curioso e divertido. Diferentemente do hamster, ele tem hábitos diurnos e noturnos.

Seu porte é pequeno, chegando a medir 10 cm de comprimento. Sua expectativa de vida é de 2 a 3 anos. É considerado um pet limpo e pode ser criado em gaiola espaçosa, principalmente, se houver mais de um animal.

Para ter mais de um gerbil em casa é necessário que eles se adaptem desde cedo e que sejam todos apenas machos ou apenas fêmeas, visto que se reproduzem muito rapidamente.

Esse animal não deve tomar banho com água e sabão, pois pode ficar doente. Podemos encontrar em lojas especializadas um pozinho específico para que ele faça sua própria higiene. É só colocá-lo em um pratinho e ele saberá como usar. Se alimentam de ração própria para esse tipo de roedor, como por exemplo o Nutriroedores da Nutricon, bem como de frutas, legumes e verduras.

 PROBLEMAS MAIS COMUNS COM OS ROEDORES

  • Infestação por ácaros, pulgas e outros parasitas: é comum que de vez em quando aconteça problemas com algum parasita, prejudicando muito a pelagem dos roedores e causando incômodo;

  • obesidade: os roedores têm uma tendência ao ganho de peso e, por isso, devem se exercitar nos brinquedinhos da gaiola ou mesmo soltos em locais seguros por, pelo menos, meia hora diariamente, mas sempre sob supervisão;

  • reprodução: evite ter um casal de roedor, tendo em vista que eles se reproduzem com muita facilidade. O cio da fêmea hamster, por exemplo, ocorre a cada quatro dias e sua gestação resulta de cinco a nove filhotes;

  • constipações e diarreias: são alguns dos problemas que podem atingir os roedores, mas que são resolvidos com uma alimentação rica em fibras.

 

Texto:  Petnanet

Voltar