29.01.2018 - Post : O que são peixes ornamentais?

Peixe ornamental ou peixe de aquário é a designação dada no ramo de  aquariofilia às espécies de peixes que são selecionadas pela exuberância das suas cores, formas e pela facilidade de manutenção em cativeiro. Mas, você sabia que a criação de peixes é uma atividade bastante antiga, sendo, inclusive, anterior à era cristã. Os primeiros relatos escritos sobre esta atividade datam do ano 475 a.C.. Neles são descritos os processos adotados para a criação de carpas (Cyprynus carpio) e principalmente, do peixe japonês ou kinguio (Caracius auratus) em represas. Naquela época, já havia a criação de espécies de peixes para fins de ornamentação.

“A princípio, os peixes eram capturados jovens, mantidos em recipientes de porcelana. Posteriormente, os processos de reprodução em cativeiro foram dominados e os piscicultores passaram a desenvolver novas variedades dessas espécies”, afirma o professor Manuel Vazquez Vidal Júnior, do curso Produção de Peixes Ornamentais, elaborado pelo CPT – Centro de Produções Técnicas.

As novas variedades de peixes surgiram por meio de cruzamentos dirigidos nos quais eram usados exemplares que, em virtude de uma mutação, possuíam alguma característica peculiar que os distinguiam dos exemplares selvagens, como por exemplo, a cor, a forma do corpo e o número ou formato das nadadeiras.

Os mais presentes nas casas brasileiras são os aquários repletos de peixes de água doce e as espécies que vivem neste tipo de água são divididas em famílias, sendo as principais delas:

- Caracídeos;

- Poecilídeos;

- Ciclídeos;

- Ciprinídeos;

- Anabantídeos.

Caracídeos

neon

Neon

Os caracídeos são uma família de peixes onívoros. São pequenos e calmos e estão entre os mais conhecidos no aquarismo pelas cores variadas e belas, pela resistência e facilidade de manejo e por viverem em grandes cardumes. Geralmente, providos de nadadeira adiposa, nadadeira caudal bifurcada e de nadadeira anal desenvolvida, eles se diferenciam sexualmente, entre macho e fêmea, pela nadadeira anal: nos machos ela é em forma de gancho. Os Tetras estão entre os caracídeos mais procurados por causa das suas cores. Os mais conhecidos são o Neon, o Tetra-Cardinal, o Tetra-Rosáceo, o Tetra-Buenos Aires, o Tetra-Preto e o Mato-Grosso. Eles se alimentam, em geral, de alimentos que flutuam. Os caracídeos são mais de 1.300 espécies variadas que estão distribuídas pela África, Ásia e América do Sul.

Poecilídeos

Guppys

Guppy

Os poecilídeos são peixes ovovivíparos originários da América. Resistentes, eles se reproduzem facilmente em cativeiro, são calmos e gostam de viver em cardume. Sua reprodução ocorre por meio de uma cópula, com auxílio da nadadeira anal modificada do macho, o gonopódio. A fêmea tem quase o dobro do tamanho do macho, guarda o esperma em seu organismo por um longo tempo e, aos poucos, vai parindo os alevinos. Os representantes mais importantes desta família são: Guppys, Molinésias, Platys e Espadas, que são conhecidos pelas suas incríveis variedades de cores. Os adornos dos machos são curiosos: nadadeiras caudais largas e coloridas, cores mais vivas no corpo, proeminências nas nadadeiras anal, dorsal e caudal.

Ciclídeos

ciclideos

Ciclídeo

Os ciclídeos estão entre os peixes ornamentais mais conhecidos. Eles são nativos da África e das Américas, principalmente, da América do Sul. Eles têm um comportamento muito variado. Enquanto alguns aceitam a convivência apenas com exemplares da mesma espécie, outros aceitam viver com espécies diferentes de peixes. Essa família é dividida em dois grupos: os ciclídeos menores (ou anões) e os maiores. O grupo dos menores o tamanho raramente excede 7,5 cm e os ciclídeos maiores, formam casais fiéis a vida toda, são peixes que defendem um território exclusivo e podem alcançar de 30 até 50 cm.

Ciprinídeos

kinguios

Kinguio

Os ciprinídeos (Carpas, Kinguios, Botias, Labeos, Barbos, entre outros) são peixes originários da Ásia e Europa e foram os primeiros a serem domesticados pelo homem. Algumas espécies como as Botias, certas variedades de Carpas e os kinguios atingem elevado valor no mercado, enquanto outras como o Paulistinha, o Barbo Ouro e o Conchonio estão entre os peixes ornamentais de valor mais modesto.

A maioria das espécies, mesmo sendo de clima frio, adapta-se bem e cresce melhor em temperaturas entre 24 e 28ºC, entretanto em temperaturas acima de 26ºC a desova é reduzida. Esses peixes costumam desovar logo após o inverno. Em geral, as larvas dessas espécies são pequenas, mas muito resistentes e aceitam diversos itens alimentares (ração, plâncton, artemia) o que facilita sua criação. Essas espécies podem ser criadas em pH entre 6 e 8 mas se desenvolvem melhor em pH ligeiramente alcalino (7,2 a 7,8).

Anabantídeos

betta

Betta

Os anabantídeos também são peixes que vêm da Ásia, mas sua característica principal é um sistema auxiliar de respiração, o labirinto, por isso também são conhecidos como labirintídeos. Esse órgão é um conjunto de pregas sob os opérculos e que servem para captar o ar atmosférico, pois são peixes que vivem em águas com pouco oxigênio. Seus representantes mais conhecidos são o Beta, o Beijador e a Colisa.

Ter um aquário pode ser algo muito divertido, é possível construir cada parte dele junto com toda a família. Escolher desde os enfeites (areia, pedras, algas) que serão colocados até quais peixes terão é uma atração à parte, principalmente para as crianças. E, além da vantagem de não demandarem muito tempo de dedicação e serem relativamente baratos, os aquários, se bem feitos, podem ser tornar um belíssimo item de decoração para qualquer ambiente.

Para saber quais itens você precisa ter no seu aquário acesse o link abaixo e baixe o nosso e-book gratuitamente.

http://conteudo.nutricon.ind.br/primeiroaquario

Fontes:  CTP / Canal do Pet - iG

 

Voltar